Overreacted

Como o React diferencia uma classe de uma função?

December 2, 2018 • ☕️☕️☕️ 17 min read

Translated by readers into: EspañolFrançaisMagyarNederlandsPortuguês do BrasilSlovenčina日本語简体中文繁體中文

Read the originalImprove this translationView all translated posts

Considere o componente Greeting, escrito como uma função:

function Greeting() {
  return <p>Hello</p>;
}

O React também permite escrevê-lo como uma classe:

class Greeting extends React.Component {
  render() {
    return <p>Hello</p>;
  }
}

(Até recentemente, essa era a única forma de usar features como o state.)

Quando você deseja renderizar o componente <Greeting />, o modo como ele foi implementado não interessa:

// Classe ou função — tanto faz.
<Greeting />

Porém, o próprio React se importa com essa diferença!

Se Greeting é uma função, o React precisa chamá-lo:

// Seu Código
function Greeting() {
  return <p>Hello</p>;
}

// Dentro do React
const result = Greeting(props); // <p>Hello</p>

Mas se Greeting for uma classe, o React precisa instanciar ele com um operador new e então chamar o método render na instância criada:

// Seu código
class Greeting extends React.Component {
  render() {
    return <p>Hello</p>;
  }
}

// Dentro do React
const instance = new Greeting(props); // Greeting {}
const result = instance.render(); // <p>Hello</p>

Em ambos os casos, o objetivo do React é conseguir que o nó seja renderizado (no caso o <p>Hello</p>). Mas os passos para tal dependem de como Greeting foi definido.

Então como o React sabe que uma coisa é uma classe ou uma função?

Assim como no meu post anterior, você não precisa saber isso para ser produtivo no React. Eu mesmo não sabia durante anos. Por favor, não faça isso virar uma pergunta de entrevista. Na realidade, esse post é mais sobre JavaScript do que de React.

Esse blog é para leitores curiosos que querem saber como o React funciona de certa forma. Você é esta pessoa? Então vamos mergulhar juntos.

Essa é uma longa jornada. Prepare-se. Esse post não tem muita informação sobre o React, mas vamos passar por aspectos como o new, o this, classes, arrow functions, prototype, __proto__, instanceof, e como essas coisas funcionam junto no JavaScript. Por sorte, você não precisa pensar tanto sobre elas enquanto usa o React. Já se você estiver implementando o React…

(Se você quer apenas saber a resposta, dê um scroll até o final.)


Primeiramente, precisamos definir o que é importante para tratar funçõs e classes de forma diferente. Note que usamos o operador new quando chamamos uma classe:

// Se Greeting é uma função
const result = Greeting(props); // <p>Hello</p>

// Se Greeting é uma classe
const instance = new Greeting(props); // Greeting {}const result = instance.render(); // <p>Hello</p>

Vamos pegar uma noção do que esse new faz no JavaScript.


Nos velhos tempos, o JavaScript não tinha classes. Porém, era possível se expressar de forma similar usando apenas funções. De forma concreta, você pode usar qualquer função de forma similar à um construtor de uma classe, adicionando um new antes da sua chamada:

// Apenas uma função
function Person(name) {
  this.name = name;
}

var fred = new Person('Fred'); // ✅ Person {name: 'Fred'}
var george = Person('George'); // 🔴 Não Funciona

Você ainda pode escrever códigos como esse hoje em dia! Tente isso nos DevTools do navegador.

Se você chamou Person('Fred') sem o new, o this de dentro deve apontar para alguma coisa global e inútil (por exemplo, window ou undefined). Assim, o seu código iria quebrar ou fazer alguma coisas idiota como definir window.name.

Adicionando new antes da chamada, falamos: “Ou JavaScript, eu sei que Person é só uma função, mas vamos fazer de conta que é o construtor de uma classe”. Crie um objeto {} e aponte o this dentro da função Person para o objeto criado, para conseguir definir coisas como this.name. Depois devolva esse objeto para mim.

Isso é o que o operador new faz.

var fred = new Person('Fred'); // Mesmo objeto que o `this` dentro de `Person`

O operador new também faz qualquer coisa que colocamos em Person.prototype esteja disponível no objeto fred:

function Person(name) {
  this.name = name;
}
Person.prototype.sayHi = function() {  alert('Hi, I am ' + this.name);}
var fred = new Person('Fred');
fred.sayHi();

Essa é a forma que as pessoas emulavam classes antes que as mesmas fossem adicionadas no JavaScript.


Então o new já estava presente no JavaScript por um tempo. Porém classes são mais recentes. Elas nos permitem reescrever o código anterior, para se adequar mais com a nossa intenção:

class Person {
  constructor(name) {
    this.name = name;
  }
  sayHi() {
    alert('Hi, I am ' + this.name);
  }
}

let fred = new Person('Fred');
fred.sayHi();

Capturar a intenção do desenvolvedor é importante no design da API de qualquer linguagem.

Se você escreve uma função, o JavaScript não consegue adivinhar se ela deveria ser chamada como alert() ou se deveria funcionar como um construtor do tipo new Person(). Esquecer de especificar o new para uma função como Person poderia levar a comportamentos confusos.

A sintaxe de classe nos diz: “Isso não é apenas uma função - é uma classe e ela tem um construtor”. Se você esquecer do new quando for chamar ela, o JavaScript vai retornar um erro:

let fred = new Person('Fred');
// ✅  Se Person for uma função: funciona
// ✅  Se Person for uma classe: funciona também

let george = Person('George'); // Esquecemos do `new`
// 😳 Se Person for uma função do tipo construtor: comportamento confuso
// 🔴 Se Person for uma classe: falha na hora

Isso nos ajuda a achar erros no começo, ao invés de esperar a ocorrência de um bug obscuro, do tipo this.name sendo tratado como window.name em vez de george.name.

Porém, isso significa que o React precisa colocar o new antes de chamar qualquer classe. Elas não poderiam ser tratadas como funções regulares, pois o JavaScript retornaria um erro!

class Counter extends React.Component {
  render() {
    return <p>Hello</p>;
  }
}

// 🔴 O React não pode fazer isso:
const instance = Counter(props);

Isso cheira à confusão.


Antes de ver como o React resolve isso, é importante lembrar que muitas pessoas que usam o React, usam compiladores como o Babel para compilar features modernas como classes para navegadores antigos. Então devemos considerar compiladores no nosso design.

Em versões antigas do Babel, classes poderiam ser chamadas sem o new. Porém, isso foi arrumado - adicionando mais código:

function Person(name) {
  // Simplificado da saída do Babel:
  if (!(this instanceof Person)) {
    throw new TypeError("Cannot call a class as a function");
  }
  // Nosso codigo:
  this.name = name;
}

new Person('Fred'); // ✅ Certo
Person('George');   // 🔴 Não pode chamar uma classe como uma função

Você deve ter visto códigos como este no seu pacote. Isso é o que todas as funções _classCallCheck fazem. (Você pode reduzir o tamanho do pacote selecionando o modo “loose mode” sem checagens, mas isso pode complicar a transição para classes nativas reais.)


Agora você deve entender mais ou menos a diferença entre chamar uma coisa com new ou sem:

new Person() Person()
classe this é uma instância de Person 🔴 TypeError
função this é uma instância de Person 😳 this é window ou undefined

Isso é o motivo de ser importante o React chamar os componentes corretamente. Se seus componentes estão definidos como uma classe, o React precisa usar o new na chamada.

Então o React pode apenas verificar se uma coisa é uma clase ou não?

Não é tão simples! Mesmo que nós pudessemos diferenciar uma classe de uma função no JavaScript, isso ainda não ajudaria em classes processadas por ferramentas como o Babel. Para o navegador, elas são apenas funções. Azar para o React.


Certo. Então o React poderia usar o new em toda chamada? Infelizmente, isso não funciona sempre.

Para funções regulares, chamar elas com new daria uma instância do objeto this. Isso é desejável nas funções escritas como construtores (como o nosso Person), mas seria confuso para componentes funcionais:

function Greeting() {
  // Não esperamos que `this` seja qualquer instância aqui
  return <p>Hello</p>;
}

Isso ainda poderia ser tolerável. Existem 2 outras razões para matar essa ideia.


A primeira razão é que sempre usar new não funcionaria para arrow functions nativas (não aquelas compiladas pelo Babel), pois chamando com new retornaria um erro:

const Greeting = () => <p>Hello</p>;
new Greeting(); // 🔴 Greeting não é um construtor

Esse comportamento é intecional e segue o design das arrow functions. Uma das muitas características das arrow functions é a de que elas não possuem um this próprio - no lugar disso, o this é resolvido como a função regular mais próxima:

class Friends extends React.Component {
  render() {    const friends = this.props.friends;
    return friends.map(friend =>
      <Friend
        // o `this` é resolvido como o do método `render`        size={this.props.size}        name={friend.name}
        key={friend.id}
      />
    );
  }
}

Certo. então arrow functions não possuem o seu próprio this. Mas isso significa que elas seriam inteiramente inúteis como construtores!

const Person = (name) => {
  // 🔴 Isso não faria sentido!
  this.name = name;
}

Assim, O JavaScript não permite a chamada de uma arrow function com new. Se você fizer isso, provavelmente cometeu um erro mesmo, e é melhor ser avisado o mais cedo possível. Isso é similar ao motivo do JavaScript não deixar você chamar uma classe sem o new.

Isso é legal, mas também estraga nossos planos. O React não pode apenas chamar new em qualquer coisa porque isso quebraria as arrow functions! Nós poderiamos tentar detectar as arrow functions pela falta de prototype, e não colocar o new nelas:

(() => {}).prototype // undefined
(function() {}).prototype // {constructor: f}

Mas isso não funcionaria para funções compiladas com o Babel. Isso pode não ser grande coisa, mas existe outra razão que faz essa abordagem um caminho sem saídas.


Outra razão para não colocarmos new é que isso impediria o React de suportar componentes que retornam string ou outros tipos primitivos.

function Greeting() {
  return 'Hello';
}

Greeting(); // ✅ 'Hello'
new Greeting(); // 😳 Greeting {}

Isso, novamente, tem a ver com as peculiaridades do design do operador new. Como nós vimos anteriormente, new diz ao JavaScript para criar um objeto, fazer o this virar o objeto dentro da função, e depois nos dar um objeto que é resultado do new.

Porém, o JavaScript também permite que a função chamada com new sobrescreva o valor retornado por new retornando algum outro objeto. Provavelmente, isso foi considerado útil para padrões como o polling, onde queremos reusar instâncias:

// Criado tardiovar zeroVector = null;
function Vector(x, y) {
  if (x === 0 && y === 0) {
    if (zeroVector !== null) {
      // Reusa a mesma instância      return zeroVector;    }
    zeroVector = this;
  }
  this.x = x;
  this.y = y;
}

var a = new Vector(1, 1);
var b = new Vector(0, 0);var c = new Vector(0, 0); // 😲 b === c

Porém, new também ignora completamente o valor de retorno da função se ele não for um objeto. Se você retornar uma string ou um número, é com se não existisse nenhum return.

function Answer() {
  return 42;
}

Answer(); // ✅ 42
new Answer(); // 😳 Answer {}

Não existe uma forma de ler um valor primitivo (como um número ou uma string) de uma função quando chamada com new. Dessa forma, se o React sempre usar new, não seria possível adicionar suporte para componentes que retornam strings!

Isso é inaceitável, então devemos ajustar.


O que aprendemos até agora? O React precisa chamar classes (incluindo a saída do Babel) com new, mas ele precisa chamar funções regulares e arrow functions (incluindo da saída do Babel) sem o new. Ainda não existe nenhuma forma de distinguí-los.

Se não podemos resolver um problema genérico, podemos resolver um mais específico?

Quando você define um componente como uma classe, você provavelmente quer que herde de React.Component para usar os métodos integrados como o this.setState(). Em vez de tentar detectar todas as classes, podemos detectar apenas os decendentes de React.Component?

Spoiler: isso é exatamente o que o React faz.


Talvez, a forma idiomática de verificar se Greeting é uma classe do React, é testando Greeting.prototype instanceof React.Component:

class A {}
class B extends A {}

console.log(B.prototype instanceof A); // true

Eu sei o que você está pensando. O que aconteceu aqui?! Para responder isso, precisamos entender os protypes do JavaScript.

Você pode estar familiarizado com a “cadeia de prototype”. Todo objeto no JavaScript pode ter um “prototype”. Quando nós escrevemos fred.sayHi() mas o objeto fred não tem uma propriedade sayHi, procuramos por sayHi no prototype de fred. Se não acharmos lá, procuramos no próximo prototype da cadeia - o prototype do prototype de fred. E assim por diante.

De maneira confusa, a propriedade prototype de uma classe ou função não aponta para o prototype de seu valor. Eu não estou brincando.

function Person() {}

console.log(Person.prototype); // 🤪 Não é o prototype de Person
console.log(Person.__proto__); // 😳 É o prototype de Person

Então a “cadeia de prototype” é mais como __proto__.__proto__.__proto__ do que prototype.prototype.prototype. Isso levou anos para eu entender.

O que é a propriedade prototype de uma função ou uma classe, então? É o __proto__ dado à todos os objetos criados à partir da função ou classe!

function Person(name) {
  this.name = name;
}
Person.prototype.sayHi = function() {
  alert('Hi, I am ' + this.name);
}

var fred = new Person('Fred'); // Define `fred.__proto__` como `Person.prototype`

E essa cadeia de __proto__ é como o JavaScript procura por propriedades:

fred.sayHi();
// 1. fred possui uma propriedade sayHi? Não.
// 2. fred.__proto__ possui um propriedade sayHi? Sim. Chame ela!

fred.toString();
// 1. fred possui uma propriedade toString? Não.
// 2. fred.__proto__ possui um propriedade toString? Não.
// 2. fred.__proto____proto__ possui um propriedade toString? Sim. Chame ela!

Na prática, você deveria quase nunca precisar tocar no __proto__ diretamente do código, a menos que você esteja debugando alguma coisa relacionada à cadeia de prototype. Se você quer que coisas estejam disponíveis em fred.__proto__, você deveria colocá-las em Person.prototype. Pelo menos isso é como as coisas foram projetadas inicialmente.

A propriedade __proto__ não deveria ser exposta pelos navegadores, já que a cadeia de prototype era considerada uma coisa interna. Mas alguns navegadores adicionaram o __proto__ e eventualmente ela foi padronizada a contragosto (mas foi descontinuada em favor de Object.getPrototypeOf()).

Ainda assim eu acho muito confuso que uma propriedade chamada prototype não dá o prototype do valor (por exemplo, fred.prototype não é definido porque fred não é uma função). Pessoalmente, eu acho que isso é a maior razão que mesmo desenvolvedores experientes tendem à não entender os prototypes do JavaScript.


Este post está longo, né? Eu diria que estamos em 80% dele. Aguente firme.

Sabemos que quando usamos obj.foo, o JavaScript na verdade procura por foo em obj, obj.__proto__, obj.__proto__.__proto__, e por aí vai.

Com classes, você não está exposto diretamente à esse mecanismo, mas o extends também funciona por cima da velha cadeia de prototypes. Isso é como as instâncias das classes do React conseguem acesso aos métodos como setState:

class Greeting extends React.Component {  render() {
    return <p>Hello</p>;
  }
}

let c = new Greeting();
console.log(c.__proto__); // Greeting.prototype
console.log(c.__proto__.__proto__); // React.Component.prototypeconsole.log(c.__proto__.__proto__.__proto__); // Object.prototype

c.render();      // Achado em c.__proto__ (Greeting.prototype)
c.setState();    // Achado em c.__proto__.__proto__ (React.Component.prototype)c.toString();    // Achado em c.__proto__.__proto__.__proto__ (Object.prototype)

Em outras palavras, quando você usa classes, a cadeia de __proto__ de uma instância “imita” a hierarquia de classes:

// cadeia de `extends`
Greeting
  → React.Component
    → Object (implícito)

// cadeia de `__proto__`
new Greeting()Greeting.prototype
    → React.Component.prototype
      → Object.prototype

2 Cadeias.


Assim como a cadeia de __proto__ imita a hierarquia de classes, podemos verificar se Greeting herda de React.Component com Greeting.prototype, e dessa forma seguir sua cadeia de __proto__:

// cadeia de `__proto__`
new Greeting()
Greeting.prototype // 🕵️ Começamos aqui    → React.Component.prototype // ✅ Encontrado!Object.prototype

Convenientemente, x instanceof y faz exatamente esse mesmo tipo de busca. Ele segue a cadeia de x.__proto__ procurando por Y.prototype.

Normalmente, isso é usado para determinar se uma coisa é uma instância de uma classe:

let greeting = new Greeting();

console.log(greeting instanceof Greeting); // true
// greeting (🕵️‍ Começamos aqui)
//   .__proto__ → Greeting.prototype (✅ Encontrado!)
//     .__proto__ → React.Component.prototype
//       .__proto__ → Object.prototype

console.log(greeting instanceof React.Component); // true
// greeting (🕵️‍ Começamos aqui)
//   .__proto__ → Greeting.prototype
//     .__proto__ → React.Component.prototype (✅ Encontrado!)
//       .__proto__ → Object.prototype

console.log(greeting instanceof Object); // true
// greeting (🕵️‍ Começamos aqui)
//   .__proto__ → Greeting.prototype
//     .__proto__ → React.Component.prototype
//       .__proto__ → Object.prototype (✅ Encontrado!)

console.log(greeting instanceof Banana); // false
// greeting (🕵️‍ Começamos aqui)
//   .__proto__ → Greeting.prototype
//     .__proto__ → React.Component.prototype
//       .__proto__ → Object.prototype (🙅‍ Não foi encontrado!)

Mas isso também funciona normal para determinar se uma classe herda de outra classe:

console.log(Greeting.prototype instanceof React.Component);
// greeting
//   .__proto__ → Greeting.prototype (🕵️‍ Começamos aqui)
//     .__proto__ → React.Component.prototype (✅ Encontrado!)
//       .__proto__ → Object.prototype

E essa verificação é como determinamos se uma coisa é um componente de classe do React ou uma função regular.


Mas isso não é o que o React faz. 😳

Uma peculiaridade da solução com instanceof é que ela não funciona quando temos múltiplas cópias do React na página, e o componente que estamos verificando herda de outro React.Component de uma cópia do React. Misturando múltiplas cópias do React em um único projeto é ruim por diversas razões, e históricamente tentamos evitar tais problemas quando possível. (Com o Hooks, nós provavelmente vamos precisar forçar a remoção da duplicação.)

Uma outra possibilidade heurística poderia ser a verificação da presença de um método render no prototype. Porém, não estava claro como a API iria evoluir. Toda verificação tem um custo e nós não queríamos adicionar mais uma. Isso também não funcionaria se o render fosse definido como um método de instância, como na sintaxe de propriedade de uma classe.

Então, ao invés disso, o React adicionou uma flag especial para o componente base. O React verifica pela presença dessa flag, e dessa forma ele sabe quando uma coisa é uma classe do React ou não.

Originalmente a flag estava na classe base React.Component:

// Dentro do React
class Component {}
Component.isReactClass = {};

// Podemos verificar dessa maneira
class Greeting extends Component {}
console.log(Greeting.isReactClass); // ✅ Sim

Porém, algumas implementações de classe que tínhamos como alvo não copiavam propriedades estáticas (ou definiam um __proto__ não padronizado), e a flag era jogada fora.

Isso é o motivo do React ter movido a flag para React.Component.prototype:

// Dentro do React
class Component {}
Component.prototype.isReactComponent = {};

// Podemos verificar dessa maneira
class Greeting extends Component {}
console.log(Greeting.prototype.isReactComponent); // ✅ Sim

E isso é literalmente tudo o que é feito.

Você pode estar pensando sobre o motivo de ser um objeto e não um booleano. Isso não importa muito na prática, mas em versões iniciais do Jest (antes do Jest ser Bom™️) o automocking era ativado automaticamente. Os mocks gerados omitiam as propriedades primitivas, quebrando a verificação. Obrigado Jest.

A verificação isReactComponent é usada no React até hoje.

Se você não herdar de React.Component, o React não vai encontrar a propriedade isReactComponent no seu prototype, e não vai tratar o componente como uma classe. Agora você sabe o motivo da resposta mais bem avaliada para o erro Cannot call a class as a function ser a adição de extends React.Component. Por fim, um alerta foi adicionado informando que prototype.render existe mas prototype.isReactComponent não.


Você pode dizer que essa história é como matar um mosquito com um canhão. A solução é simples, mas eu fui longe para explicar o porque do React acabar utilizando ela, e quais eram as alternativas.

Na minha experiência, isso acontece para APIs de bibliotecas. Por uma API ser simples de usar, na maioria dos casos você precisa considerar a semântica da linguagem (possivelmente, para algumas linguagens, incluindo versões futuras), o desempenho, a ergonomia com e sem os tempos de compilação, o estado do ecossistema e os métodos para criação de pacotes, avisos o mais cedo possível, e muitas outras coisas. O resultado final pode não ser sempre o mais elegante, mais deve ser o mais prático.

Se a API for um sucesso, seus usuários nunca vão precisar pensar sobre o processo. Ao invés disso eles podem focar na criação de aplicações.

Mas se você também é curioso… é legal saber como ela funciona.